11 de setembro revisitado em indicado ao Oscar

A família aparece com destaque na ficção do escritor Jonatahan Safran Foer. Foi assim em seu romance de estreia, o semi-biográfico “Uma Vida Iluminada”, de 2002.

Também são as relações familiares que originam os conflitos da trama de “Extremamente Alto e Incrivelmente Perto”, segundo livro do autor. Levado para o cinema pelo diretor Stephen Daldry (“O Leitor”), com o título “Tão Forte e Tão Perto”, o drama entrou em cartaz nesta sexta-feira, 24 de fevereiro, credenciado por duas indicações ao Oscar, incluindo a de melhor filme.

Em “Uma Vida Iluminada”, dirigido por Liev Schreiber ,em 2007, o personagem principal viaja para a Ucrânia em busca de pistas sobre suas raízes. Em “Tão Forte e Tão Perto”, as pistas estão ao redor de Oskar, vivido pelo garoto Thomas Horn. Todas deixadas pelo seu pai Thomas, papel feita sob medida para o bom-mocismo de Tom Hanks.


Confira a lista completa dos indicados ao Oscar 2012

Para que Oskar, acometido por transtornos de sociabilidade, interaja com pessoas, Thomas cria aventuras para o garoto, verdadeiras caças ao tesouro pela cida de Nova Iorque. Até 11 de setembro de 2001. Ou, "o pior dos dias", como Oskar se refere à data. Além de lhe tirar o pai, o atentado ao World Trade Center fez com que Oskar tivesse interrompida sua última aventura.


Abalado com a morte de seu companheiro, a única pessoa que Oskar acreditava entendê-lo, o garoto começa a murchar e ver sua vida se deteriorar aos poucos. Mas tudo recomeça a ganhar sentido quando o garoto, ao remexer nas coisas de seu pai, encontra, dentro de um insuspeito vaso azul, uma chave com a inscrição "Black".

Ao descobrir a chave, Oskar revive a emplogação que cada uma das aventuras proposta por seu pai lhe trazia. Muito embora a ansiedade em chegar ao final de um enigma que ele nem mesmo sabe se tem fim, comece, gradativamente, a se tornar uma obssessão perigosa para uma mente perturbada de apenas 9 anos de idade.


"Tão Forte e Tão Perto" corre por fora na briga pelo Oscar de melhor filme. Mas pode, enfim, dar uma estatueta a Max Von Sydow. O veterano sueco, indicado como ator coadjuvante, tem atuação primorosa sem emitir uma só palavra como um misterioso inquilino da avó de Oskar. Sandra Bullock, em atuação comovente, vive a mãe do garoto. Um papel menor, porém crucial para a trama.
11 de setembro revisitado em indicado ao Oscar 11 de setembro revisitado em indicado ao Oscar Reviewed by Diego Iwata Lima on 23:08 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.