Porque acredito que "O Artista" leva o Oscar:

Apostar no Oscar é sempre arriscado, e por várias razões. O prêmio não depende apenas de aspectos técnicos e artísticos. Fatores políticos e o momento vivido pelos Estados Unidos e o mundo ajudam a fazer a cabeça dos votantes.

Por exemplo: em época de guerra, filmes de guerra, ou de batalhas por ideias edificantes e afins, costumam receber mais indicações e têm suas chances pela estatueta aumentadas. Se há otimismo ou prosperidade econômica, comédias chamam a atenção. Em épocas de eleição, filmes políticos. E por aí vai. E há ainda a velha política interna, dos bastidores e dos milhões de dólares que trocam de mão, dependendo de interesses que não estão na tela. O tal businesse do showbusiness.

As temáticas dos indicados deste ano variam muito. Mas se tem uma coisa que Hollywood gosta de fazer é auto-homenagem, independentemente do que estiver acontecendo no planeta. Não de graça, o filme com mais indicações é "A Invenção de Hugo Cabret". Mas ninguém homenageia Holywood, e o cinema como um todo, neste ano, tão bem quanto "O Artista". Favorito ao Oscar, com dez indicações, seria minha aposta em um bolão, embora não seja imbatível. Ainda assim, é a minha aposta. E digo os motivos.


Com o perdão do comentário hiperbólico, mas "O Artista" é genial. Conseguiu emular tão convincentemente o cinema de antigamente, com tanto apuro técnico e riqueza de detalhes, que fica até difícil começar a falar sobre as razões que o fizeram se tornar o grande favorito. A direção de arte e os figurinos têm tons adequados, e demostram o cuidado da produção. A homenagem foi tão bem elaborada que até a janela de exibição foi alterada para o formato quadrado de antigamente.


Vale comentar Jean Dujardin, indicado ao Oscar. Tivesse o francês nascido nos anos 20 do século passado, e teríamos uma "nova ordem" no star system. Que sorriso magnético e charmoso tem o protoganista dirigido pelo francês Michael Hazanavcius (indicado ao Oscar). Sua excelência para capturar os trejeitos dos artistas do cinema mudo é a principal catapulta do filme à fama que arrebatou. Deve levar seu prêmio. A não ser que a Academia tenha decidido fazer um agrado a Brad Pitt. Ou dar prêmio de conosolação a "Os Descendentes", com George Clooney.

Mas há também Berenice Bejo, na pele de Peppy Miller, indicada como atriz coadjuvante. No filme, o impulso de seu sucesso é uma pinta falsa, colocada em seu buço. Na vida real, são os olhos da argentinas criada em Paris que deixam com cara de bobo os espectadores de "O Artista".

Dujardin é George Valentin, estrela maior do cinema mudo, no final dos anos 20. Com ego e orgulho proporcionais às enormes bilheterias de seus filmes, o astro nos é apresentado durante a fase de transição dos filmes sem fala para os chamados "talkies", com diálogos e som direto.


Peppy conhece George na saída de uma pré-estreia de um filme estrelado pelo galã. Aspirante a atriz, a jovem fotografada ao lado de Valentin começa ali a despertar a atenção de gente graúda no estúdio Kinographic (cuja fachada é a dos estúdios da Paramount,em Burbank, Califórnia). Também desperta a atenção de George Valentin. Mas por outras razões.

George Valentim despreza os filmes falados. Por trás do desprezo, no entanto, há a insegurança de adentrar um terreno desconhecido. Melhor ter dois olhos expressivos e um sorriso cativante em terra de filmes mudos, do que falar, como qualquer um pode fazer. Já Peppy quer mais é se aproveitar da novidade para se tornar estrela.

O roteiro de "O Artista" é muito bem amarrado. A fotografia em preto e branco é elegante. O ritmo sofre uma pequena queda lá pela metade do filme, mas recupera-se bem rumo ao clímax, emocionante e passível de arrancar lágrimas dos fãs da era de ouro do cinema norte-americano. Especialmente na sequência final.

Ritmo e edição bem-feitos, fotografia cuidadosa, direção de arte meticulosa, argumento e emocionante e um roteiro bem escrito. "O Artista" tem ainda uma dupla de protagonistas com muita química e desempenhos irretocáveis. A direção do francês Michael Hazanavicius está na medida. E, para coroar, o filme traz um "ator canino" dos mais simpáticos e bem-treinados.

Se "O Artista" vai levar o maior prêmio da noite, só vai ser possível saber no final da cerimônia. Mas motivos para tal, não faltam.
Porque acredito que "O Artista" leva o Oscar: Porque acredito que "O Artista" leva o Oscar: Reviewed by Diego Iwata Lima on 20:56 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.