Com tudo para ser grande, "Amor Impossível" fica no quase

O que se pode esperar de um filme que tem os mesmos responsáveis pelos roteiros de  "Quem quer ser um milionário?""Sempre ao seu lado"? E de um elenco com Ewan McGregor e Emily Blunt? Com a direção do três vezes indicado ao Oscar Lasse Hallström, parece que não falta nada. A pinta é toda de um ótimo filme. Infelizmente, porém, não é isso que acontece com "Amor Impossível" (Salmon Fishing in the Yemen). A comédia dramática, que estreou nos cinemas em junho deste ano, não é ruim. Mas tinha tudo para ser um filme maior e, por isso, acaba sendo um tanto frustrante. Especialmente quando comparada aos longas citados acima.

A história é inusitada. O Dr. Alfred Jones (Ewan McGregor) é um especialista em peixes que sofre de autismo. Harriet (Emily Blunt) é uma advogada. Os dois se unem, contra a vontade de Jones, em um caso curioso: um sheik do Iêmen deseja implantar em seu país a pesca de salmão – seu esporte favorito. Jones é contra o projeto e acredita que isso jamais dará certo. Harriet prefere acreditar na possibilidade, também interessada em agradar seu cliente. Para o Sheik Muhammed (Amr Waked), seu povo vai se beneficiar com o projeto da pesac, que vai auxiliar também no processo de irrigação de áreas mais secas da região.

O desenrolar desse projeto é bem interessante e faz com que os personagens se aproximem cada vez mais. O roteiro foi escrito por Simon Beaufoy, ganhador do Oscar em 2009 com “Quem Quer ser um milionário?”


Nesse caso, ele até que acerta em vários momentos. Mas se perde, principalmente, nas partes que envolvem a mulher (Catherine Steadman) do Dr. Jones e a sua relação fria e insensível, assim como o namoro de Harriet com um soldado do exército americano (Tom Mison), que fica sumido por metade do longa. A sensação que fica é que essas cenas foram jogadas no meio da história. 


"Salmon Fishing in the Yemen" é baseado na publicação homônima, escrita por Paul Torday. O livro foi adaptado por um diretor experiente em adaptações. Lasse Hallström também esteve por trás das câmeras de “Querido John” e do emocionante “Sempre ao Seu Lado”.

Blunt e McGregor se destacam bastante nos seus papéis. A atriz já ganhou prêmios por “O Diabo Veste Prada” e “Os Agentes do Destino” e ele recebeu uma indicação ao Globo de Ouro por “Moulin Rouge - Amor em Vermelho”. E é justamente essa ótima atuação da dupla que faz com que “Amor Impossível” não seja um filme dispensável.  


Além dos atores, o filme com certeza vai agradar pela fotografia. O lugar onde o Sheik possui uma casa para pescar, na Europa, é maravilhoso. E as regiões do Iêmen que são mostradas são deslumbrantes. Desperta até uma certa curiosidade para conhecer esse país e, por que não, a sua cultura também.
  
No fim, com as expectativas mais rebaixadas, o filme até agrada, com uma uma bonita e emocionante história de amor. Assim como a paixão do Sheik pela pesca e a vontade dele de viabilizar o projeto. No fim, é a paixão, de diferentes tipos, o que mais faz valer a pena assistir ao longa, que tinha tudo para ter ido além. 
Com tudo para ser grande, "Amor Impossível" fica no quase Com tudo para ser grande, "Amor Impossível" fica no quase Reviewed by Mayara Munhoz on 11:45 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.