Elenco de bonitões e direção de Sorderbergh dão equilíbrio a "Magic Mike"

Sempre espero alguns dias para escrever sobre um filme depois de assisti-lo. O motivo disso é que a minha visão sobre o que vi acaba mudando conforme vou pensando e avaliando melhor o conteúdo dos filmes. Ainda bem para "Magic Mike", que estreia nesta sexta-feira (2). Minha primeira impressão sobre o novo longa de Steven Soderbergh não foi boa. Mas, após refletir melhor, entendi alguns pontos e mudei de opinião. Percebi que o fato de não ter gostado muito do filme quando ele terminou era culpa minha. Criei uma expectativa grande demais quando vi o trailer há alguns meses.

"Magic Mike" conta a história de um homem, de 30 anos, que ganha a vida como stripper em uma casa noturna de Tampa, na Flórida. Mike (Channing Tatum) leva a vida numa boa, ganhando dinheiro na noite e acordando todas as manhãs com mulheres diferentes na sua cama. Tudo muda quando ele conhece Adam (Alex Pettyfer), um jovem de 19 anos, que não parece ter um objetivo de vida definido. Mike leva Adam para o clube onde dança e o garoto vira a atração principal da noite. Junto com Adam, Mike conhece a irmã dele Brooke (Cody Horn), uma enfermeira que passa metade do seu tempo preocupada com a falta de juízo do irmão mais novo. Enquanto vai se envolvendo com Brooke e ensinando Adam a viver da noite, Mike percebe-se insatisfeito com a sua vida e com dúvidas sobre o seu futuro.

A primeira coisa a se dizer sobre o filme é que ele não é exclusivamente uma comédia, apesar de ser classificado assim em vários lugares. "Magic Mike" tem sim seus momentos cômicos, que aliás são cenas que se destacam durante o longa. Mas o filme também se encaixa no perfil de drama. Os conflitos envolvendo Adam e Brooke, as indefinições de Mike e o submundo da noite, drogas e sexo com que os personagens convivem mostram uma realidade diferente e nada engraçada.

Aliás, esse é justamente um dos defeitos do longa. O longa se perde a partir do momento que tenta se tornar mais profundo e abordar esses temas polêmicos, como drogas, criminosos e até a falta de crédito no banco. "Magic Mike" estava ótimo até chegar nesse ponto. Depois, passou a ser apenas um bom filme. Outros pequenos problemas também marcam a produção. Em alguns momentos, os diálogos são fracos e dispensáveis.


Porém, apesar de algumas falhas, o longa tem um grande nome por trás das câmeras que soube fazer a diferença. "Magic Mike" poderia ser apenas um filme sem graça, apelativo e até um tanto ridículo, pelo excesso de cenas com os strippers. Mas o diretor Steven Sorderbergh imprime sua marca no filme. É por causa dele que a profissão dos principais personagens do filme soa mais natural.

Dizer que a mão de Sorderbergh fez bem ao longa é quase uma redundância. O diretor, afinal, é conhecido pela ótima trilogia de "Onze Homens e um Segredo"- apesar dos altos e baixos - e por ser indicado ao Oscar por dois filmes em um mesmo ano. Em 2001, Soderbergh concorreu ao prêmio de melhor diretor por "Erin Brockovich - Uma Mulher de Talento" e por "Traffic: Ninguém Sai Limpo". Ganhou pelo segundo.

Soderbergh acertou em outro ponto também: o elenco. Com apenas uma exceção, o jovem Alex Pettyfer (de "Alex Rider Contra o Tempo" e "A Fera"). Ele possui um belo corpo, que combina com os requisitos do esse filme, mas demonstrou pouca habilidade de atuação, principalmente nas cenas que exigiram profundidade emocional. Os companheiros de Adam no clube Xquisite são Big Dick Richie (Joe Manganiello, da série "True Blood" e "O que esperar quando você está esperando"), Ken (Matt Bomer, da série "Crimes do Colarinho Branco"), Tito (Adam Rodriguez, de "CSI: Miami"), Tarzan (Kevin Nash, de "Golpe Baixo") e o dono do negócio Dallas (Matthew McConaughey, de "Como perder um homem em 10 dias"). Eles não decepcionam em momento algum. Todos acertaram na atuação exigida por cada personagem em todos os momentos, com destaque, claro, para as cenas em que tiram a roupa. Além das ótimas formas físicas, merecedoras de aplausos. Todos os atores passaram por dietas rigorosas e muita malhação para chegar às gravações com o corpo em dia. O sacrifício foi elogiado pelo diretor. "Já trabalhei com mulheres com menos dedicação a seus corpos", declarou Sorderbergh.


Claro que o principal destaque é Channing Tatum. Ele vive o personagem principal do filme, a grande estrela do Xquisite, Magic Mike. Além de uma boa atuação, ele arrasa nas cenas de dança. Habilidade que já pode ser vista em outros filmes, como "Ela Dança, Eu Danço". Mas o que realmente fez com que Tatum se destacasse do restante no elenco foi sua experiência na área. Durante as gravações, ele contou que trabalhou como stripper antes de se tornar ator. Muitas histórias do filme foram baseadas em fatos vividos por ele nessa fase. Channing Tatum, aliás, está conquistando Hollywood. "Magic Mike" é o terceiro filme que ele protagonizou neste ano. Ele também esteve em "Para Sempre" e "Anjos da Lei". Em 2013, ele já está escalado para mais quatro lançamentos, além de cinco outros projetos, até 2015.

"Magic Mike" custou apenas 7 milhões de dólares para ser produzido e, somente no seu final de semana de estreia nos Estados Unidos, faturou mais de 39 milhões. Esse número surpreende por se tratar de um filme que chegou aos cinemas com proibição para menores de 18 anos. O sucesso foi tão grande que Soderbergh e Tatum divulgaram que o roteiro de "Magic Mike 2" já está quase terminado.

Para finalizar, o que mais me surpreendeu no filme foi a coragem do atores em aceitar esse tipo de papel. Adam Rodriguez, por exemplo, só aparece em "CSI: Miami" de terno, todo sério e de repente está em um palco, de tanga e mostrando um corpo super malhado. É uma exposição a que esses atores e o público não estão acostumados e que, com certeza, ficará marcada para sempre na carreira de cada um deles.


Aos homens que já descartaram a possibilidade de ir até ao cinema assistir ao longa, ele também pode agradar o público masculino. Além das belas mulheres que figuram ao lado de Mike e Adam, o filme é uma boa história sobre até onde um homem é capaz de ir para realizar os seus sonhos - ou ganhar dinheiro. Já às mulheres, não preciso dizer que há motivos de sobra para correrem neste feriado para o cinema.
Elenco de bonitões e direção de Sorderbergh dão equilíbrio a "Magic Mike" Elenco de bonitões e direção de Sorderbergh dão equilíbrio a "Magic Mike" Reviewed by Mayara Munhoz on 12:10 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.