“O Casamento do Ano” é legal. E, neste caso, isso basta

Sempre que converso sobre filmes com meu parceiro aqui no Cinestrela, ele fala bastante sobre a diferença entre filmes bons e filmes legais. Bons filmes são aqueles completos: bom diretor, bom roteiro, bom elenco e tudo mais que um filme merece ter de melhor. Já os filmes legais são aqueles casos em que você sabe que a qualidade do filme não é das melhores, mas ele te agrada da mesma maneira. Talvez eu até já tenha falado sobre isso por aqui. Sou uma grande admiradora de filmes legais, principalmente quando eles são comédias românticas.

“O Casamento do Ano” (“The Big Wedding”) chegou aos cinemas brasileiros no dia 30 de agosto. O elenco é de tirar o fôlego e conta com grandes nomes do cinema e caras novas cada dia mais presentes nas telonas: Roberto De Niro, Diane Keaton, Susan Sarandon e Robin Williams - todos já ganharam Oscars na carreira; e os mais novos: Katherine Heigl, Amanda Seyfried, Topher Grace e Ben Barnes.

O grande problema é o roteiro. Por isso, se você for dar uma caçada nos principais sites de críticas de cinema só conseguirá encontrar opiniões negativas sobre “O Casamento do Ano”. O argumento não traz nenhuma novidade. O filme segue a linha de várias comédias românticas que estamos cansados de ver por aí, sem qualquer pretensão de ser surpreendente. Por causa disso, muitos já descartariam qualquer chance de assisti-lo. Mas, apesar dos lados negativos, este é um filme bem legal.

Na história, Alejandro (Ben Barnes, de “As Crônicas de Nárnia”) e Missy (Amanda Seyfried, de “Cartas para Julieta” e “Mamma Mia!”) vão se casar. Os jovens apaixonados resolvem fazer a festa de casamento na casa dos pais adotivos de Alejandro. O problema é que a mãe biológica do noivo, Madonna (Patricia Rae), é católica devota e não vê com bons olhos o divórcio. Durante o final de semana do casamento, os pais adotivos Don (Robert de Niro, “O Poderoso Chefão II” ) e Ellie (Diane Keaton, “Noivo Neurótico, Noiva Nervosa” e “Uma Manhã Gloriosa”) vão precisar fingir que não estão separados há dez anos e que Bebe (Susan Sarando, de “Thelma & Louise” e “A Viagem”) é apenas a responsável pelo buffet do casório, não a atual mulher de Don.


Já é possível perceber que estamos diante de uma comédia que abusa das confusões entre os personagens e das relações amorosas deles também. Pode se dizer que “O Casamento do Ano” segue a mesma linha de “Alguém tem que ceder” e “Simplesmente Complicado”, duas comédias que também são carregadas de clichês, mas que agradam ao público. O longa é escrito e dirigido por Justin Zackham, que não dirigia um filme desde “Calouros em Apuros”, em 2001. Mas se ele não acertou a mão ao escrever a história, pelo menos dirigiu o filme de maneira correta e suficiente para não transformá-lo em um total desperdício. A direção de fotografia também acertou, apesar de o cenário em Greenwich, Connecticut, já ser naturalmente lindo.

Se o roteiro é um problema, as atuações não. Como já era esperado, os atores com mais bagagens estão perfeitos, principalmente o trio De Niro, Keaton e Sarandon. Robin Williams também está bem como o padre Moinighan. De Niro mostra que está cada vez mais acostumado a viver papéis cômicos e que consegue variar bem nas escolhas de seus filmes. Ano passado, por exemplo, o ator de 70 anos, foi indicado ao Oscar (ele já tem duas estatuetas!) por sua atuação em “O Lado Bom da Vida”. Diane e Susan dão show no papel de duas melhores amigas que deveriam se odiar por uma roubar o marido da outra, mas que deixam a amizade falar mais alto.


Do lado mais jovem, bons nomes da comédia romântica se destacam em histórias paralelas ao casamento de Alejandro e Missy. Katherine Heigl (“Como Agarrar meu ex-namorado” e “Ligeiramente Grávidos”) é Lyla, a filha mais velha do casal, que tem problemas de relacionamento com o pai e que acaba de se separar do marido. Topher Grace (“Homem-Aranha 3” e “Idas e Vindas do Amor”) é Jared, filho do meio, médico de 29 anos, que escolheu casar virgem, mas que está reconsiderando a decisão. E a dupla Amanda Seyfried e Ben Barnes vive o casal principal da trama, que quer casar de qualquer maneira e não se preocupa muito com a confusão que envolve seus pais e irmãos. Além deles, destaque também para a bela Nuria, Ana Ayora (de “Marley & Eu”), que vive a irmã biológica de Alejandro, uma mulher sensual e que decide investir em Jared.

"O Casamento do Ano” é um filme legal. Talvez não legal o suficiente para você gastar dinheiro indo ao cinema. Mas muito válido para uma sessão pipoca em casa com os amigos ou com a família. As risadas são garantidas e os atores estão ótimos. Não crie muitas expectativas, abra a sua mente e se prepare para dar risada.
“O Casamento do Ano” é legal. E, neste caso, isso basta “O Casamento do Ano” é legal. E, neste caso, isso basta Reviewed by Mayara Munhoz on 23:48 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.